Vida ativa, mente mais saudável

Com um cotidiano cada vez mais atribulado e estressante, a busca pelo bem-estar e qualidade de vida vem aumentando. E não é para menos, manter uma vida mais ativa pode ajudar a fortalecer o sistema imunológico, diminuir o desenvolvimento de doenças crônicas como hipertensão e diabetes, controlar os níveis de colesterol, melhorar o condicionamento muscular e cardiorrespiratório, promover uma melhor qualidade do sono, reduzir o estresse, além de ser um ótimo aliado no tratamento da depressão e ansiedade, considerados por muitos “o mal do século”.

Durante o isolamento social, muitas pessoas não deixaram de lado o “treino nosso de cada dia”, o que é ótimo, já que os exercícios físicos têm sido apontados como grandes aliados para a contenção dos picos de estresse e ansiedade. Um estudo mostrou que antes do isolamento, 27% das pessoas mantinham atividades ao ar livre e, depois, apenas 3%. Os exercícios que envolviam contato físico, como esportes coletivos, academias e natação, foram substituídos por treino de força, que passou de 5,2% para 13,9%, e treino funcional, que aumentou de 4,4% para 49,3%.

Além disso, alguns hormônios importantes são estimulados durante o exercício físico, como a endorfina, responsável pela sensação de bem-estar. Ela pode aliviar dores musculares e promover o relaxamento, sendo conhecida amplamente como o “hormônio do prazer”.

Outro hormônio importante, que atua na queima de gordura, é o GH (hormônio do crescimento). Quanto mais intenso o treino for, maior é a sua liberação.

Há liberação de adrenalina e noradrenalina juntas, que atuam no aumento da taxa metabólica, da liberação de glicose e de ácidos graxos livres no sangue, podendo acelerar a queima de gordura durante o exercício.

Um ponto importante, e recomendado pelos especialistas, é que os exercícios físicos escolhidos devem proporcionar prazer e satisfação, para que assim, além de respeitar os limites do corpo, consiga mantê-lo em uma rotina diária. 

Não menos importante, uma alimentação equilibrada e com qualidade nutricional traz inúmeros benefícios para quem buscar manter um bom condicionamento físico e mental.

Alimentação equilibrada

Conheça alguns nutrientes e suas fontes alimentares que podem ser ótimos aliados para o seu corpo e para a sua mente:

  • Proteínas: auxiliam diretamente no gerenciamento de peso devido à capacidade de promoção de saciedade. As fontes de origem animal, como a carne, o ovo e o leite, são consideradas com maior valor biológico por possuírem quantidades adequadas dos principais aminoácidos.
  • Triptofano: por ser precursor da serotonina, nos dá sensação de bem-estar e felicidade, regula o humor, o sono e o apetite. Alimentos fonte: aveia, banana, cacau, ovos, peixes e nozes.
  • Antioxidantes: atuam nos radicais livres e amenizam a inflamação e os sintomas da ansiedade. Alimentos fonte: abacate, uva roxa e frutas cítricas.
  • Alimentos estimulantes de GABA (neurotransmissor): induzem ao relaxamento, como o chá de camomila, melissa e passiflora, semente de abóbora, cacau e espinafre. Além disso, os alimentos probióticos elevam a produção de GABA pelo sistema digestivo.

Lembre-se: é muito importante se cuidar, pois estamos passando por um momento especial, mas, em breve, quando tudo voltar ao normal, cada um vai poder retomar à sua vida. Portanto, as dicas são: ser paciente, buscar se exercitar regularmente (sem exageros, claro). É fundamental também, buscar o apoio de um profissional qualificado e sempre respeitar os limites do seu corpo. Além disso, conte sempre com a MaxxiOvos para consumir as proteínas necessárias para uma alimentação equilibrada.

 

Referências: 1. Carvalho TD, Nóbrega AD, Lazzoli JK, Magni JRT, Rezende L, Drummond FA, et al. Posição oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: atividade física e saúde. Rev Bras Med Esporte. 1996;2(4):79-81. 2. World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Genebra: WHO; 2010. 3. Abreu JM, Souza RA, Meireles LV, et al. Effects of physical activity and exercise on well-being in the context of the Covid-19 pandemic. Disponível em: < https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.06.08.20125575v2> Acesso em: set, 2020. 4. COSTA, Rudy Alves; SOARES, Hugo Leonardo Rodrigues; TEIXEIRA, José Antônio Caldas. Benefícios da atividade física e do exercício físico na depressão. Rev. Dep. Psicol., UFF, Niterói, v. 19, n. 1, p. 273-274, 2007. 5. CRUZAT, Vinicius Fernandes et al. Hormônio do crescimento e exercício físico: considerações atuais. Rev. Bras. Cienc. Farm., São Paulo, v. 44, n. 4, p. 549-562, Dec. 2008. 6. Lima-Silva AE, Adami F, Nakamura FY, de Oliveira FR, Gevaerd MS. Metabolismo de gordura durante o exercício físico: mecanismos de regulação. Rev Bras Cineantrop Desempenho Hum. 2006;8(4):106-14. 7. Martens EA, Westerterp-Plantenga MS. Protein diets, body weight loss and weight maintenance. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2014;17(1):75-9. 8. Rossi L, Tirapegui J. Implicações do sistema serotoninérgico no exercício físico. Arq Bras Endocrinol Metab. 2004; 48(2): 227-233. 9. Bianchi MLP, Antunes LMG. Radicais livres e os principais antioxidantes da dieta. Rev Nutr. 1999; 12(12):123-30. 10. Barrett E., Ross R. P., O’Toole P. W., Fitzgerald G. F., Stanton C. (2012). γ-Aminobutyric acid production by culturable bacteria from the human intestine. J Appl Microbiol. 2014 May;116(5):1384-6.